sábado, 25 de setembro de 2010

" SÃO ROSAS"

Foto Retirada do Flickr


O dia amanhecia nublado
O meu coração despedaçado
Na alma um grande vazio
Por um amor perdido.

Nas mãos um boque de rosas
Tristes rosas vermelhas
Murchando suas pétalas
Foram abandonadas.

Sublimes momentos
Guardarei deste amor
Que foram só encantos
Como uma linda flor.

São rosas que amam
São rosas que choram
São rosas que sentem
São rosas que morrem.

Rene Santos


29a. Edição - Projeto Palavras Mil

Imagens retiradas da Net

sábado, 18 de setembro de 2010

"Caminho para a realidade"


Foto retirada do We♥It
(indicado por F! - Comunidade)



Caminha sem direção
No ombro seu violão
Caminha no compasso
No coração um sonho.

Com a alma cheia de alegria
Com a garganta afinada
Entoando uma melodia
Canta feliz com a vida.

Caminho para qualquer lugar
Com um sonho de liberdade
Com o coração cheio de amor
Caminho cheio de vontade.

Caminho no amanhecer
Para quando a noite chegar
Poder para todos cantar
Até o sol nascer.

Com fé nos meus sonhos
Com muita serenidade
Caminho com desejos
Caminho para a realidade.


Rene Santos


28a. Edição -
Projeto Palavras Mil
Imagens retiradas da NET

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

" Então . . ."




Então abrirei mão de todos os meus segredos agora,
não preciso de outra mentira perfeita.

Então poderei viver em paz e ficar livre desse tormento
não tendo que ser diferente do que sou.

Então poderei abrir a caixinha do meu coração ,
não mais me escondendo na escuridão.

Então serei feliz de estar em liberdade
não estando mais presa a esse triste passado.

Então esquecerei tudo, deixarei de sofrer
não me preocupando mais com você.

Então o quero agora é me separar de você,
não consigo mais te amar.

Então mantenha-se distante de mim
não queira me ver falar a verdade.


Rene Santos
34a. Edição Musical

Imagens retiadas da NET

sábado, 11 de setembro de 2010

"Brincadeira de amor"


Foto retirada do We♥It

Somos dois corações que se completam
Somos um romance cheio de emoções
Somos almas gêmeas que se amam
Somos uma vida em dois corações.


Buscamos um lugar longe da cidade
Buscamos um lugar sem barulho
Buscamos o nosso paraíso encantado
Buscamos o jardim da felicidade.


Caminhamos sem rumo e nem direção
Caminhamos seguindo o nascer do sol
Caminhamos brincando com a visão
Caminhamos num conversível azul.


Na traseira do carro fico de pé
Tapando os olhos do meu amor
Que sorrir por não poder ver
O que a frente vem a todo vapor.

Rene Santos


27a. Edição Palavras Mil
Imagem retirada da NET

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

"Eu queria..."


Eu queria que você estivesse aqui comigo,
mas estamos presos onde estamos,
é tão difícil, você está tão longe."

Eu queria deixar de sentir a sua falta,
mas tudo ficou no silêncio,
e o que me resta é viver na solidão.

Eu queria saber para que vivo,
se nada mais tem sentido,
pois era você a minha fortaleza.


Eu queria poder beijar seus lábios
e matar essas saudades
que minha alma nunca esquece.

Eu queria novamente estar contigo
deixar de chorar por esse amor
que enchia me coração.


Eu queria sair dessa escuridão,
na esperança de uma ressurreição,
levando embora essa solidão.

Eu queria tanto ter você
bem pertinho de mim
embalando o meu sono.


Rene Santos


33a. Edição Musical
Projeto BLoínquês

Imagens Retiradas da Net

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

"PODE LIGAR"


Pode ligar o quanto quiser, mas não tem ninguém em casa
Pode perder a esperança de sua voz voltar a escutar
Pode chorar até cansar porque ele com outra deve estar
Pode esquecer esse amor para seu coração não machucar
Pode deixar de sonhar e se fosse eu para ele não mais ligava.


Quantas vezes você ligar seus ouvidos de tocar vão cansar
Quantas vezes você insistir uma triste ilusão vai alimentar
Quantas vezes você vai ter vontade de ver quem não te quer
Quantas vezes você tentar ligar o seu tempo vai perder
Quantas vezes o amor poderá tocar e seu coração atender?

Rene Santos


32a. Edição Musical



Imagens retiradas da net

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

"O nosso anjo da guarda"

Foto (editada) retirada do site Deviant Art
Apenas Leia a imagem
Alice tinha 5 aninhos e era uma menina muito triste , pois havia perdido sua mãe muito cedo. O seu pai, Pedro, trabalhava como promotor de uma fábrica de café que o fazia viajar pelo Brasil afora e ficando várias semanas ausente.

Os avós maternos de Alice nem a conheciam, pois não tinham aprovado o casamento de sua filha e só existia mágoa em seus corações. Sendo assim só restou a Pedro deixar a filha sobre os cuidado de um casal vizinho , que recebia uma ajuda para isso, mas não davam muita atenção aos seus caprichos, os cuidados eram precários fazendo o mínimo indispensável – viam aquilo como uma fonte de dinheiro.

Tão pequenina e já conhecia a dor da solidão e também a ausência do carinho materno. Ficava feliz quando o pai retornava de suas viagens onde se entregava aos seus carinhos e afagos. Vivia grudada a ele, deitada em seu colo e curtindo ao máximo aqueles poucos momentos que podia estar em sua companhia. Durava muito pouco e logo o pai já seguia viagem novamente.

Num belo dia estava Alice no portão de sua casa, sempre triste e sozinha, estava  admirando os galhos secos das árvores e ao olhar para baixo avistou uma mulher sentada com umas lindas asas brancas. Era um anjo? Sim um anjo de uma singela beleza e um sorriso angelical. Sentiu uma atração imediata por aquele olhar bondoso e pelo cheirinho de seu perfume.
 A mulher estendo a mão para a menina , docilmente perguntou:
- Quer dar uma passeio comigo ?

Alice sem falar nada lhe deu a mão e foram caminhando juntas. Passearam pelos jardins, andaram por vastos parques e foram seguindo passando por algumas ruas e, numa delas, havia uma linda casinha rodeada por um lindo jardim cheio de flores de todas as cores.

Como por um encanto o doce Anjo falou para Alice que ali moravam os seus avós e que ela fosse até lá .
- Bata na porta e diga a eles quem você é – enfatizou a mulher.

Alice caminhou em direção a porta e mais do que depressa deu duas batidas. Escutou uma voz que perguntou quem era e ela respondeu:
- Sou  Alice ,  filha da Tereza.

Enquanto esperava apertava os olhinhos para ter certeza de que não estava sonhando.
Devagarinho a porta foi se abrindo e sua avó apareceu e ao olhá-la ficou espantada. Estava vendo o retrato fiel de sua filha que tinha morrido há alguns anos atrás. Vivia triste desde a sua morte, pois não a via desde que tinha saido de casa, contra a vontade dos pais, para se casar com um rapaz pobre e com pouca cultura.

Emocionada e sentindo o corpo a tremer a senhora chamou o marido e ficou curiosa em saber como Alice havia chegado até ele. A menina contou que fora uma mulher e que não sabia qual era o seu nome.

Os avós pegaram Alice pelas mãos e a conduziram até a sala e mostraram um quadro na parede com o rosto da sua filha e ela mais do que depressa disse:
- É ela a mulher que me trouxe até aqui.

Emocionados e com os olhos cheios de lágrimas eles abraçaram a neta com muito carinho e nunca mais a deixaram ir embora e a felicidade chegou para Alice.

Os avós acreditavam que um milagre havia acontecido, pois sua filha, desde menina , vivia sempre falando com os anjinhos e a avó se dirigindo ao marido falou cheia de emoção:
- Ela acreditava em anjos, e por acreditar, eles existiam e hoje sabemos que eles se encontram juntinho de nós , sempre velando pelos que se foram e cuidando de nós.


Rene Santos
Edição - Projeto Palavras Mil

Este conto me foi inspirado em uma das muitas histórias que li e ouvi , algumas quando pequena.  Tenho vagas lembranças e vou pegando o pouco que minha memória guardou e deixando a minha imaginação cuidar do resto. Hoje me sinto agora no lugar inverso contando lindas histórias para os meus netos e esperando mostrar um pouco desse amor que anda tão abalado no mundo de hoje.