quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

" AMANHÃ SERÁ OUTRO DIA"

É quase de manhã e ainda não dormi. Vou para janela na esperança de ver o meu amor chegar para ficar comigo. Gostaria tanto que tudo o que dissera ao telefone não fosse verdade.

Olho para o sol que com seu brilho me consola e alivia a minha tristeza. Desde que o conheci numa festa na praia posso dizer que o nosso amor foi à primeira vista. Foi lá em plena luz do Sol que, pela primeira vez, fizemos amor unindo nossos corpos sedentos de paixão.

Depois desse dia não conseguimos mais viver um sem o outro compartilhando nossas vidas. As tarefas diárias se tornavam agradáveis e tudo era motivo de felicidade porque sabia que depois do trabalho voltaria para casa e ele estaria lá me esperando.

Será que a minha profissão de engenheira sempre envolvida em reuniões com projetos e obras em relação a sua de fisioterapeuta, onde nossos horários eram diferentes, teria contribuído para a nossa separação? Questionei-me muito durante a noite toda para procurar entender o porquê dele me pedir um tempo através de uma ligação telefônica. Será que não gosta mais de mim?

Com o coração partido, a alma sofrida e despida de qualquer orgulho ainda implorei para conversarmos em casa com mais calma. Precisava saber se me amava ainda porque um sentimento como o nosso não podia ser tratado pelo telefone. Numa última tentativa declarando todo o meu amor disse:
- Você é minha vida e não consigo imaginar passar um dia sem seu olhar, sem seus beijos, sem sentir o seu corpo, mas tudo foi em vão e, antes de desligar, ele ainda me pergunta friamente:
- Por que você não liga novamente daqui a dois meses?

Ouvindo essa pergunta a minha respiração ficou ofegante, a voz embargada e com um grande esforço respondi que não sabia o que poderia acontecer até lá. Quase a ponto de perder o controle desejei que tivesse um bom tempo e desliguei.

Aqui estou ainda a falar comigo mesmo com a cara inchada de tanto chorar. Estou cansada e preciso dormir um pouco na certeza que quando acordar vou estar melhor.

Estou triste, nada me parece bonito, tudo se transformou em sombras ficando as lembranças dos momentos de alegria e de como éramos felizes.

Hoje não consigo sorrir de tanta dor que carrego dentro de mim.
Hoje estou frágil e desisto de ver o sol nascer... Preciso ficar no escuro e descansar os meus olhos.
Hoje me sinto sem forças, sem um pedaço da minha vida.
Amanhã será outro dia e muita coisa pode surgir num novo amanhecer.

RSantos

46a. Edição Musical
44a. Edição Conto História

imagens retiradas da NET

Um comentário:

  1. Linda tua participação e pra mim é HOJE aquiele di especial: filhão deve estar chegando no Rio dentro em breve e `por olta das 13 hs estará aqui...Yupiiiiiiiiiiii!!! beijos,chica

    ResponderExcluir