segunda-feira, 9 de agosto de 2010

"Qual carreira a seguir?


E agora, o que eu faço? Essa é uma pergunta que todos os jovens se fazem quando vem chegando o final do último ano do ensino médio. A eterna dúvida dos jovens não importando em que época estejam.

A angústia dos jovens aumenta quando se aproxima a data das inscrições no vestibular que não sabem qual carreira seguir - não há mais tempo para adiar a grande decisão. É agora que a questão mais importante da vida de muitos jovens na faixa de 18 anos deve ser enfrentada: que carreira profissional seguir? Para quem tem dúvidas, resta o consolo de saber que não está sozinho. Segundo pesquisa do IBGE somente um percentual pequeno dos estudantes brasileiros que prestam a temida prova têm certeza de que curso querem fazer. E não é só isso. Depois que entram na faculdade, muitos vitoriosos descobrem que a escolha não foi a mais acertada. Muitos desistem do curso no primeiro ano. Segundo a psicóloga Rosane Levenfus muitos dos desiludidos fazem o caminho de volta para os cursinhos.

A escolha é realmente difícil. São milhares de profissões de nível superior, distribuídas por várias instituições. É a primeira escolha que um jovem tem que fazer sozinho e ele se defronta com aspectos práticos da vida, como os interesses e gostos pessoais, as habilidades manuais, o mercado de trabalho, as informações sobre os cursos e profissões. De outro, encontra-se diante de algo impossível de ser aferido objetivamente, como a pressão da família e dos amigos, a moda, os sonhos, as esperanças e as fantasias. Não é apenas a escolha de uma profissão , mas sim a escolha de um estilo de vida.

Quis colocar todas essas informações, ansiedades, dúvidas e dificuldades que os jovens passam, pois já vivi essa etapa e por mais que achasse que tinha feito a escolha certa, mutas coisas surgiram no decorrer da minha  vida que fizeram com que eu mudasse a trajetória.

Logo que terminei o ensino médio optei por tentar o vestibular para medicina e fiquei na esperança de passar durante dois sem conseguir ser classificada. Desanimada resolvi dar um tempo e me dediquei a concluir o curso de inglês.

Depois de dois anos enfrentei novamente o vestibular para a área de Biologia e para felicidade de todos consegui a tão sonhada vaga na Faculdade. Foi a realização de um sonho e segui em frente, trabalhando durante o dia e cursando a faculdade a noite. No último ano de faculdade já estava casada e exatamente no período da formatura descobri que estava grávida o que fez com que pegasse o diploma e deixasse na gaveta por dois anos.

Depois desses dois anos, apesar de precisar e ter muita vontade de exercer a minha profissão, existiam fatores que tinham que ser considerados como um lar e uma família para cuidar e o custo benefício pesando se  valeria a pena me ausentar de casa. Resumindo a história me formei em Biologia e a vida me levou a trabalhar com Telecomunicações onde hoje sou uma especialista. Foi dessa profissão que consegui construir um pequeno patrimônio e fui crescendo profissionalmente, sendo reconhecida e respeitada. Uma área que vem crescendo muito e cada vez com novas tecnologias.

Apesar dessa trajetória toda posso afirmar que tudo que foi feito, desde os cursos de vestibular, o inglês, a Faculdade de Biologia , a Profissão de Esposa e mãe, serviram como a válvula mestre para que obtivesse sucesso na área de telecomunicações e na minha vida profissional.

Desejo a todos os jovens de hoje que consigam fazer suas escolhas com o melhor dos critérios e não se desanimem caso, no meio do curso, sintam que não é aquilo que desejam, pois a vida nos reserva um tempo certo e o importante é você querer e nunca desistir.

Rene Santos


11a. Edição @ E agora, o que  eu faço ?
Projeto How Deal


Imagens retiradas da Net
Pesquisa no Portal das Letras

Um comentário:

  1. Pois é Rene, a dúvida é cruel, e eu não me decidi. beijos e obrigada!!!

    ResponderExcluir