sexta-feira, 13 de agosto de 2010

"Ser pai por pequenos momentos"


  
Mais um final de semana que passou tão rápido e já está na hora de levar meu filho de volta para a casa de sua mãe. Como me tortura esse momento que tenho que sufocar para não fazer que meu pequenino perceba. Chego nesta estação de trem, em pleno final de tarde domingo, onde não se encontra uma alma viva. Aguardo à hora da saída do próximo trem enquanto isso aproveito esses últimos minutos para curtir meu filho.

Ele adora que eu conte histórias de super heróis o que procuro ter sempre uma na ponta língua para que goste e fique empolgado fazendo mil perguntas sobre o Maravilhoso Herói. Um herói que tem super poderes, que salva todo mundo, que ajuda a todas as pessoas e castiga aqueles que fazem o mal.

Como pai procuro criar um ambiente saudável e cheio de amor para ele e deixar uma boa imagem do que é a vida. Nos dias de hoje as crianças absorvem informações desde o momento em que nascem, e é dos pais que os filhos obtém maior parte dessas informações.

Infelizmente o meu casamento com sua mãe não deram certos e não quero estar aqui falando quem foi o culpado porque desse relacionamento, desse amor que existiu , nasceu o nosso filho e somos responsáveis pelo seu aprendizado que é de suma importância.

Coube a mim, como pai, alguns finais de semana por ano para poder conviver com ele e que acho tão poucos momentos para o tanto que tenho para mostrar e ensinar para ele. Cada final de semana que passamos juntos não paramos, vamos jogar futebol, vamos à praia se não chover, vamos ao cinema, ao parque e algumas vezes até tem uma festinhas de aniversário que tenho a alegria de levar e poder curtir a felicidade de vê-lo no meio dos coleguinhas e naquela euforia com as brincadeiras.

Chega à hora de o trem partir e seguimos nossa viagem e quando chegar à estação onde mora ele vai encontrar sua mãe de braços abertos esperando.
Seguirei minha viagem de volta sozinha, um pouco triste por não ter mais aquela mãozinha para segurar, não ter sua companhia, mas carregando este filho com muito amor no meu coração.

O tempo vai passar, ele vai crescer, vai criar sua independência e sempre sabendo que tem duas casas para ficar, mas quero que saiba sempre em qual estação ele poderá encontrar este seu pai que sempre estará lá para a hora que precisar.

Rene Santos
 28a. Edição Visual
Projeto Bloínquês


(Imagens retiradas da NET)

Nenhum comentário:

Postar um comentário